terça-feira, novembro 18

Contextualização! Desejável ou Imprescindível?


Não há como pregar o evangelho senão for através da contextualização! Sei que muitos dirão que há sim, mas contra fatos, tal posicionamento é irrelevante!
Ora, o que é o evangelho? De modo simplório, devo admitir que é a pregação das boas novas! Deus fez-se homem, habitou no meio do seu povo, os ensinou a andar em conformidade com a palavra de Deus, deu-lhes a possibilidade de vislumbrar o que deveria ser o homem aos olhos divinos, pagou o escrito de dívida que era contra todos nós e a todos quanto o aceitarem deu-lhes poder para serem feitos filho de Deus, indo adiante de nós, ao encontro do Pai, para nos preparar morada e bem-aventurança eterna junto dEle. Simples assim!
O problema do evangelho nunca foi a boa nova em si, mas sim, aquele por quem a boa nova foi anunciada, Jesus. Como crer que Deus fez-se homem em Jesus? Esse foi o problema enfrentado por Paulo em seu tempo.
Paulo pregava o arrependimento em nome de Jesus, o Cristo, porque após o encontro dele com Jesus, toda a penumbra da lei começou a dissipar-se bem diante dos seus olhos e as escrituras tornaram-se claras pela primeira vez na vida de um homem, extremamente, religioso.
Suficientemente clara para crer que o único que cumpria todas as profecias que apontavam para a vinda do Messias de forma literal e contextual era Jesus de Nazaré, filho de Maria e de José, Carpinteiro, somente este, nenhum outro poderia cumprir.
O pilar da pregação era a comprovação de que Jesus era o Cristo, o Messias esperado! Sem confirmar e crer verdadeiramente neste fato, não há porque se falar em evangelho.
A contextualização do evangelho sempre foi crucial! Sem ser fiel ao contexto qualquer um pode se tornar o messias, basta alegorizar, dar sentido figurado aos textos e posso dizer que o Cristo nascerá em Belém do Pará, ao invés de ter nascido em Belém da Judéia. Sei que estou forçando a contextualização e a distorcendo para enquadrar nelas outro parecer diferente daquele que o texto se propõe a dizer, mas este exemplo é o modo que encontrei de explicar que a única coisa que nos impede de cometer tamanho erro é a contextualização, pois ela apontará para a verdade absoluta, por mais que queiramos a ignorar.
A contextualização do texto não impede de certas passagens terem cumprimento local e histórico, e ainda assim, ter um cumprimento escatológico (futuro). O contexto direto e imediato do texto nunca impedirá que exista um contexto maior e escatológico, lembre-se que a ritualização judaica era a sombra das coisas que haviam de vir. Existia um contexto local, e ainda assim, um contexto maior não revelado a eles, que completava o plano da salvação e revelava o messias.
Por fim, fugir do contexto, me impede de identificar o Cristo, pois é o contexto que me permite identificá-lo através do cumprimento literal e profético de quem ele era.
De forma contextualizada o messias deveria cumprir o que as escrituras afirmavam a respeito dele e nenhum homem, mesmo que quisesse, conseguiria fazer cumprir especificações sobre a determinação do seu nascimento, sobre sua vida e após sua morte.
Nasceu de virgem, filho de Mulher, da tribo de Judá, nascido em Belém, levado ao Egito de onde por clamor divino retornou, conhecido como Nazareno, capaz de curar cegos, surdo, mudos, reviver mortos, expulsar demônio, deveria entrar em Jerusalém no lombo de uma jumentinha no cumprimento profético das 69 semanas de Daniel, abandonado pelos seus, vendido por trinta moedas de prata, traído por um beijo, entregue as autoridades, humilhado, erguido numa cruz ao lado de malfeitores, pedindo por água dar-lhe-iam vinagre, seus ossos não seriam quebrados, suas vestes não seriam repartidas, mas sobre elas se lançariam sortes, expiação deveria se dar no horário em que era imolado o cordeiro pascal, seu Espírito seria entregue e não retirado dEle, sepultado na tumba de um homem rico, ressuscitado ao terceiro dia, enfim, tudo cumprido dentro do contexto literal das escrituras!
Nada foi distorcido para que Jesus se encaixasse no contexto! Esta era a pregação dos pais da Igreja. Explicar por provas irrefutáveis e inquestionáveis que Jesus de Nazaré era o Messias, o Filho de Deus e, portanto, como Deus, fiel para fazer cumprir tudo o quanto prometera. Aquele que havia sido anunciado desde a fundação do mundo havia vindo resgatar para si todos quanto O aceitassem como seu salvador!
Os pais da Igreja lutaram para manter uma interpretação contextualizada das escrituras, pois elas eram a prova cabal de que somente Deus seria capaz de cumprir todas as profecias que serviram para testificar a respeito daquele que veio para nos resgatar, o próprio Deus. A fuga do contexto bíblico tem sido o motivo maior das grandes heresias que entraram pelas portas da Igreja.
Voltemos a interpretação contextualizada, quer seja no cumprimento específico e local quer seja no cumprimento escatológico (futuro), as escrituras apontam com clareza, concisão e precisão sem precedentes nas coisas que não nos foram encobertas, quanto as encobertas, elas pertencem a Deus. E é claro, que o velho chavão continua sendo verdadeiro: “texto fora de contexto é pretexto e [tende a gerar] heresia”, portanto, cuidado com as distorções e “descontextualizações” feitas em prol da mensagem. As escrituras não apóiam tal proceder, antes, abominam tanto as mensagens criadas desta forma quanto àqueles que assim procedem.
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

1 comentários:

james disse...

Graça e paz vos sejam multiplicadas, irmão Pensador.

Estamos visitando o vosso blog, através da Comunidade Nacional de Blogueiros Cristãos – CNBC...

Aproveite para inserir um de nossos selos da CNBC no seu blog para identificar-lhe como membro. Acesse o endereço http://selos.blogueiroscristaos.com

Deus lhe abençoe e aos seus ricamente...

Fraternalmente.
James, administrador CNBC.
www.jesusmaioramor.blogspot.com

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...