quinta-feira, abril 30

quarta-feira, abril 29

Citação, John Leo

Todo mundo sabe que boa parte da psicoterapia não anda bem. O que todo mundo não sabe, diz o psicanalista Robert Langs, é que um fator comum em terapias que fracassam é a "maluquice" dos psicoterapeutas...
Ele usa a palavra para indicar as contradições e o conflito íntimo que estão presentes em todos. Sua conclusão, porém, não é nada agradável: o "paciente" comum tem probabilidade de ser influenciado pelos problemas emocionais dos psicoterapeutas... muitos pacientes são mais prejudicados pelos seus psicoterapeutas do que são capazes de perceber, e alguns acabam buscando um psicoterapeuta emocionalmente pertubado após o outro...
John Leo, "A Madness in Their Method",
em Time, 30 de setembro de 1985, p.78.

terça-feira, abril 28

Eles não eram assim...

Se a prática leva a perfeição, depois de, aproximadamente, 2000 mil anos de Cristianismo, era esperado que o vivêssemos melhor.
Contudo, continuamos nos mesmos erros de nossos antepassados, dispostos as mesmas advertências, problemas, teimosias e pretextos.
Se retirássemos as facilidades tecnológicas de nossos dias, dificilmente, iríamos diferir, extremamente, da
“realidade” vivida pelos cristãos primitivos. Contudo, somos em grande parte bem diferente deles, mesmo que nossa realidade fosse adequada a deles.
Não temos a mesma renúncia! Dificilmente, abrimos mão do que somos e queremos para ser conforme o Espírito Santo nos transformaria para sermos. Eles não eram assim!
Não temos o mesmo propósito! Buscamos as coisas naturais, físicas, palpáveis, terrenas, supérfluas, passageiras e efêmeras. Eles não eram assim!
Não temos o mesmo compromisso com a obra, com a causa da viúva, do desamparado e do necessitado. Eles não eram assim!
Não temos o mesmo ardor queimando em nossos corações nos impulsionando através da transformação que opera em nós, demonstrar tudo o que Cristo tenho feito e faz em nossas vidas, impulsionando outros a conhecê-lo com também o conhecemos e por Ele somos conhecidos. Eles não eram assim!
Sei que, individualmente, isto não se aplica a todos, mas quantos justos têm cruzado braços diante do quadro acima exposto.
Não sermos contados na lista acima não nos faz melhores do que eles, quando, entre eles, deixamos de ser luz e sal nos conformando àquilo que nos foi ordenado não conformar-se, este mundo tenebroso.
A este texto segue-me a esperança de que a estes ainda reste um sopro do Espírito, que Ele não lhes tenha sido apagado.
Se assim for, se ainda existir, mesmo que somente se sinta uma ínfima presença, devemos resignados forçar tudo a dar o que neles ainda persistir: nervos, músculos e coração. Escavar em profundidade até encontrar o que está a se perder e, por fim, ao reencontrá-lo, retornar ao Cristianismo Bíblico, por amor a nossa própria alma e pela daqueles que se perdem...
Creative Commons License
Este texto está licenciado sob uma Licença Creative Commons.
Postado por Ricardo Inacio Dondoni

segunda-feira, abril 27

Selado!

O PENSADOR recebe o selo "OREMOS UNS PELOS OUTROS"


"Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos" (Tg 5.16). Seguindo no mesmo sentimento do A-BD, O PENSADOR recebe o selo "Oremos uns pelos outros" do ASSEM-Bereia de Deus, editado pelo Tharsis Kedsonni

Que esta seja nossa práxis diária: Orar sem cessar.

Segue CINCO indicados ao selo.

NANI E A TEOLOGIA
A BÍBLIA E UM JOVEM DO SÉCULO XXI
AMANDO O PRÓXIMO
LETRAS SANTAS
AINDA EXISTE PAZ


Agradeço ao amigo Tharsis pelo selo! E que Deus continue o abençoando...
Paz seja contigo...
O PENSADOR®

Citação, Oswald Chambers


Não há nada mais fácil que entrar num relacionamento correto com Deus, exceto quando o que você busca não é Deus, mas aquilo que Ele oferece.
Se você só chegou ao ponto de pedir coisas de Deus, ainda nem chegou ao primeiro estágio do abandono, e o seu cristianismo originou-se em você mesmo.
"Eu pedi a Deus o Espírito Santo, mas Ele não me deu a paz e o descanso que eu esperava". Imediatamente, Deus põe Seu dedo na razão - você não está absolutamente buscando ao Senhor; está apenas buscando algo para si.
Chambers, Utmost, p 118.

quinta-feira, abril 23

Nossa fé em Cristo se baseia nas profecias de sua vinda

PATUÁ, PATO ‘B’ e PATO ‘C’. Comercializamos de Tudo...


Se há alguma coisa que cresce mais do que o número de convertidos no movimento evangélico, esse seria o comércio gospel.
Inventamos de tudo, do alfinete ao foguete! Palestras sobre herança hereditária do pecado através do DNA, os inúmeros propagadores das Curas duvidosas e ainda, há aqueles que fogem da responsabilidade primeira do Cristianismo “Ide e pregai o evangelho...”.
Vou me ater a este último grupo, uma vez que já existe muito gente boa na internet que elucida muito bem os dois primeiros grupos listados.
No intuito de fugir da responsabilidade de pregarmos o evangelho da forma como nos foi ordenado fazer, criamos métodos e técnicas que visam “auxiliar” no alcance dos novos convertidos. Algo mais material, palpável, visível, deformando assim tudo o que compõe a verdadeira pregação da verdade. Atribuímos valores espirituais a meros objetos, tais como
sabonetes, cordões, fitas, grampos, tesouras. A lista não para aí...
Alguns destes possuem fim, descaradamente, financeiro, mas existe outros que possuem o intuito compor as Ações Cristãs em Prol do Reino (A.C.P.R.). Estes visam lembrar-nos quem somos, quem é Cristo e o que é o evangelho, mas não passam de ferramentas psicológicas de Autojustificação perante a divindade.
Pense bem! Uma vez fazendo o que não deveria fazer, fazendo aquilo para o qual não fui chamado, em detrimento daquilo a que fui chamado fazer e o que é de minha total e plena responsabilidade, autojustifico-me perante minha própria consciência. Ufa! estou cumprindo com o meu ministério Cristão! Contudo, o ministério da anunciação do evangelho foi dado aos homens e a mais nenhum ser, animal, coisa ou objeto.
Ao criar esta falsa “ferramenta” de auxílio na divulgação da causa cristã, alivio o peso da minha própria consciência julgando estar quite com Deus! Coisa essa que nem fazendo o que é correto é possível!
E, por fim, geramos pessoas salvas "
psicologicamente"! Creem serem salvas, mas na realidade não são, foram alcançadas por métodos modernos incapazes de prover e promover o arrependimento sincero, pois o que eles têm em mãos não passa de uma mera obra de artífice incapaz de salva-los. Psicologicamente salvos, mas não verdadeiramente salvos.
No fim, acabamos por fornecer os meios ideais para o cumprimento profética acerca daqueles que pregarão o evangelho em nome de Cristo e receberão dEle o famoso “apartai-vos de mim pois nunca vos conheci...”
Pense a respeito! A ordem foi dar a Cara a Tapa e não transferir a responsabilidade para coisas (programas, mídia, filmes, etc) e objetos (sabonetes, rosas ungidas, sal do milagre, fitas, cordões, pulseiras). Será que vale a pena não dar a cara a tapa? Vale a pena não cumprir com a Ordem dada a Grande Comissão? Aliás, o que você tem feito ultimamente?
Creative Commons License
Esta
obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Postado por Ricardo Inacio Dondoni

quarta-feira, abril 22

Citação, Charles Swindoll


Estou mais convencido do que nunca de que o propósito maior da vida não é conhecermos a nós mesmos... mas conhecermos a Deus. Na verdade, a não ser que Deus seja a busca central de nossas vidas, todas as outras buscas darão em becos sem saída... Não darão resultado. Não satisfarão. Não trarão realização. Não farão por nós o que esperamos que façam.
Swindoll, Growing, p.89

terça-feira, abril 21

Citação, Oswald Chambers


Somos predispostos a imaginar que se Jesus Cristo nos constrange, e nós Lhe obedecemos, Ele nos conduzirá a um grande sucesso. Nunca podemos colocar nossos planos de sucesso como o propósito de Deus para nós; Seu propósito é que eu dependa dEle e de Seu poder hoje... se percebermos que o fim é a obediência, então cada momento será precioso à medida que passar.
Chambers, Utmost, p.210

segunda-feira, abril 20

Resultado da Enquete sobre a EBD



Resolvi fazer uma brincadeirinha matemática com o pessoal que respondeu as enquetes sobre A EXISTÊNCIA DE UMA EBD EM SUAS IGREJAS, bem como, A QUESTÃO DA FREQUÊNCIA a mesma.
Antes de mais nada, me perdoem os matemáticos de plantão, ..., não me formei nesta área, portanto, não espero ser exato, nem tão preciso quanto a matemática almeja ser.

A primeira coisa que defini, baseando-me no resultados das enquetes, foi o universo hipotético de 100 Igrejas, das quais 20 deles não possuem EBD, restando 80 Igrejas possuidoras de EBD.

Dentro da Enquete que trata sobre a FREQUÊNCIA DA EBD, trabalhei com a questão das frequências lançadas, do seguinte modo: "Se 26 perfaziam 80% dos frequentadores, então 'X' perfazia 20% dos não-frequentadores e isto fiz para cada um dos campos selecionados...

Por fim, após somas, multiplicações e divisões, cheguei a um resultado assustador que reflete nossa atual realidade...

Apesar de 80% das Igrejas abrirem as portas ao conhecimento, aproximadamente, só 20% dos cristãos participam e usufluem da Escola Bíblica Dominical.

A consequência disso é exatamente o tipo de cristianismo que tentamos repudiar a todo custo. Um cristianismo sem compromisso, sem propósito, sem fidelidade e sem a presença de Deus adequado a psicologia e ao capitalismo egocêntrico ...

P.S: Levando em consideração que somente participaram da enquete os cristãos que possuem acesso a Internet, esse número pode tornar-se ainda mais assustador...



Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Cura Interior

Fala-se muita coisa sobre cura interior. Numa rápida pesquisa pela internet é fácil encontrar o tema desenvolvido em sites de Reiki, Cultura Oriental, Espíritas, Católicos, Evangélicos, Psicólogos (Psicanálise e Psicoterapia). Cada seguimento tem sua própria definição sobre a cura interior, mas todos eles possuem certas similaridades, o que deveria nos deixar incomodados e motivados a buscar maior conhecimento sobre o assunto.
A cura interior, dentro do movimento cristão, está alicerçada na necessidade da aplicação do perdão, o que é básico na doutrina cristã. Contudo, isto não torna tal técnica infalível, bíblica ou a verdade última do cristianismo.

Dave Hunt diz que a "cura interior" é uma forma popular de terapia de regressão, introduzida na Igreja pela ocultista Agnes Sanford (veja A Sedução do Cristianismo). Depois de sua morte, [essa terapia] foi levada avante pelos que foram influenciados por ela, tais como os terapeutas leigos Ruth Carter Stapleton (irmã do ex-presidente americano Jimmy Carter – N. R.), Rosalind Rinker, John e Paula Sandford, William Vaswig, Rita Bennett e outros. A cura interior, no início predominante entre igrejas carismáticas e liberais, espalhou-se amplamente nos círculos evangélicos, onde é praticada de forma mais sofisticada por psicólogos como David Seamonds, H. Norman Wright e James G. Friesen, e igualmente por terapeutas leigos como Fred e Florence Littauer. A insistência veemente dos Littauer de que rara é a pessoa "que pode dizer que verdadeiramente teve uma infância feliz", certamente condiciona seus aconselhados a recobrar memórias traumáticas e infelizes.

Pesa ainda contra o movimento de Cura Interior a associação de técnicas humanísticas desenvolvidas por homens réprobos quanto a fé, que ansiavam pela destruição do cristianismo como eles o conheciam.
O movimento procura achar um culpado para o sofrimento humano, muitas das vezes transferindo responsabilidades para segundos e terceiros, chegando ao absurdo de conduzir as pessoas a responsabilizarem Deus pelos revezes da vida, levando seus praticantes a perdoarem Deus, talvez porque creiam que Deus não seja tão infalível assim a ponto de necessitar do nosso perdão ou, ainda, por ele Ser, simplesmente, quem é (um absurdo sem tamanho).
Outra técnica bastante usada é a regressão, que não possui nenhum fundamento cristão, vinda do espiritismo, acolhida pelos psicólogos da corrente do treinamento sensitivo, defendida por muitos porta-vozes da “nova era”. A questão não é mais levar as pessoas a Deus e fazer como a Bíblia ensina: “esquecendo-me das coisas que para trás ficam...”, mas sim, fazer o que as pessoas desejam, justificarem suas ações, nem que para isso, tenham que culpar o próprio nascimento, dizendo que deixar o útero materno consistia num ato traumatizante ao bebê.
Não são poucos os lares nos quais a cura interior associada a regressão tem causado mais mal do que bem, dividindo famílias, por causa da implantação de memórias falsas, sugestionadas ou não, durante o processo de regressão, cujo condutor não tem o controle que julga possuir sobre o “paciente”, fazendo com que uma enorme quantidade de pessoas, na maioria mulheres, se julguem abusadas sexualmente por seus pais, que até o momento perfaziam o exemplo de cidadão respeitável e exemplar diante da sociedade e da Igreja.
A Cura interior é um dos principais movimentos que se infiltraram no cristianismo advogando ênfase na experiência, aplicando por vezes técnicas ocultistas, cujas quais seus praticantes nem imaginam quão contrárias ao cristianismo elas são, tais como: Visualização, Projeção, Regressão, Controle da Mente, Atitude Mental Positiva e, por fim, a psicologia aplicada como ferramenta de auxílio a interpretação divina.
Por fim, somente o fato da inexistência de apoio bíblico deveria ser por si só suficiente para nos distanciar de tais práticas.


Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

sábado, abril 18

Blogagem Coletiva UBE - MAX LUCADO NO BRASIL (Participe e ganhe um livro!)



Max Lucado estará no Rio de Janeiro no dia 25 de julho para compartilhar suas experiências de fé com um público estimado em 15 mil pessoas na Praça da Apoteose. Parte de sua apresentação será feita em português, pois Lucado, que já viveu no Brasil, tem um bom conhecimento da nossa língua. A entrada será gratuita e o evento conta com o apoio da Prefeitura e do Governo do Estado. Serão quatro horas de muita inspiração e motivação com a palavra de Lucado, apresentações de cantores cristãos nacionais e distribuição de vários brindes.


Em homenagem ao evento a Thomas Nelson Brasil firmou parceria com a UBE - União de Blogueiros Evangélicos onde oferecerá 80 livros "Todo dia é um dia especial" aos blogueiros que participarem da blogagem coletiva, com postagens sobre o livro e/ou sobre o evento.


REGULAMENTO


1. Somente poderão participar da blogagem coletiva, para efeitos de recebimento do livro, os blogueiros que já estejam devidamente afiliados à UBE – União de Blogueiros Evangélicos.


2. Para concorrer, o blogueiro deverá publicar um post com o título "BLOGAGEM COLETIVA DA UBE: MAX LUCADO NO BRASIL", com menção à vinda do autor ao Brasil que será no dia 25 de julho de 2009 e, ainda, indicar os links do evento (http://www.maxlucadonobrasil.com.br) ou do livro (http://www.thomasnelson.com.br/maxlucado).


3. Após a postagem, o blogueiro deverá preencher o formulário no link http://spreadsheets.google.com/viewform?hl=en&formkey=cFBPSC1iYTR1Z1R2M0p6bUFHTUtsSVE6MA..


4. Os 80 (oitenta) primeiros blogueiros(as) que fizerem a postagem e preencherem o formulário especificado no item anterior receberão cada qual 1 livro "Todo dia é um dia especial", a ser enviado pela editora Thomas Nelson Brasil.


5. A ordem será observada pela seqüência do preenchimento do formulário.


6. Será concedido somente um livro por blogueiro.


7. Será criada uma lista para acompanhamento dos premiados.


8. As questões não previstas neste regulamento serão decididas pelos editores da UBE.


Leia atentamente todo o regulamento, e participe!

Selado!

Parabéns Amenidades!



Dia 16 de abril foi o dia em que o Blog Amenidades da Cristandade comemorou seu aniversário de 1 ano! Para comemorar a data, além do sorteio do livro (se você é blogueiro clique aqui e participe!), o Blog lançou o selo intitulado "Melhores Blogs da Cristandade", um singelo reconhecimento aos blogueiros amigos que fazem da nossa blogosfera um lugar cada dia melhor! Após o Notícias Cristãs receber a indicação pelo Amenidades, por sua vez indicou o Descanso da Alma que indicou setes blogs ao selo, no qual este singelo Blog foi citado!

O Selo "Melhores Blogs da Cristandade" é um singelo reconhecimento aos blogueiros amigos que fazem da nossa blogosfera um lugar cada dia melhor!

REGRAS PARA PARTICIPAÇÃO
Para receber o selo, se faz necessário seguir as seguintes regras:

1)Colocar o link do blog que ofereceu o prêmio ao seu blog;
2)Escolher outros sete blogs de conteúdo cristão (não importando a corrente ou denominação) para receber a premiação e colocar seus links no post que consta a premiação;
3)Comunicar os blogs premiados;
4)Colocar as regras e a imagem do selo (conforme o código abaixo, direcionando para este post original do prêmio) no post de premiação.

Para colocar o selo em seu blog, utilize ESTE código, retirado direto do Blog Amenidades da Cristandade...

Outorgamos esta premiação, pelo conteúdo de qualidade, relevância na blogosfera cristã e pela parceria, aos seguintes blogs:
Para participar desta festa indicamos os seguintes blogs:

1) A Bíblia e um Jovem do Século XXI
2) Natanine Black Book, vir, podes ver
3) Shalom Israel
4) Assem-Bereia de Deus
5) Ao Redor da Jabuticabeira
6) Desperta Igreja
7) Genizah

Os Blogs indicados deverão pegar o código que deve ser pego no AMENIDADES neste link e seguir as seguintes regras:

1)Colocar o link do blog que ofereceu o prêmio ao seu blog;
2)Escolher outros sete blogs de conteúdo cristão (não importando a corrente ou denominação) para receber a premiação e colocar seus links no post que consta a premiação;
3)Comunicar os blogs premiados;
4)Colocar as regras e a imagem do selo no post de premiação.

Parabéns Amenidades e Muito Obrigado Descanso da Alma pela deferência!

quinta-feira, abril 16

A Benção de Abraão a Judá

Citação, A.W.Tozer

A moda atual de buscar na ciência apoio para o cristianismo não prova a verdade da fé cristã, mas a incerteza incômoda nos corações daqueles que precisam olhar para a ciência a fim de dar respeitabilidade à sua fé.
A.W.Tozer, Of God and Men
(Christian Publications, 1960),
p. 113.

quarta-feira, abril 15

O Cliente é Soberano

Houve época em que aqueles que perfaziam a membresia de uma igreja eram chamados de membros, cristãos, irmãos ou, ainda, crentes.
O novo sistema religioso adequou todos estes chamativos a uma nova realidade capitalista, não porque os membros das igrejas tenham em votação escolhido o novo nome pelo qual desejam ser identificados, mas porque este é o único nome que consegue identificar a massa crescente do atual movimento cristão.
Clientes! Este é o melhor nome para defini-los. Este homem, pós-moderno adequado a realidade capitalista egoísta, emprega todas as ferramentas da modernidade em prol de si mesmo. São homens que não fixam raiz, saltam de Igreja para Igreja, gostam de ouvir o que lhes agrada, não estão dispostos a terem sua realidade alterada por um ser onisciente, onipresente e onipotente.
O novo homem vai a Igreja para que este ser que é, infinitamente, superior a Ele se renda e se dobre perante a vontade humana, pois “O cliente sempre tem a razão”.
São soberanos! Suas vontades devem ser atendidas, seus anseios devem ser o objetivo da Igreja. Tudo deve ocorrer conforme suas mentes aludem, senão a Igreja ‘X’ ou ‘Y’ correrá o sério risco de ficar sem o dízimo do mês.
Este novo homem trabalha no ambiente religioso como o faz no ambiente comercial, “satisfação garantida ou seu dinheiro de volta”.
Na realidade, o fim de todas as coisas se aproxima! O arrebatamento, o julgamento dos justos, a tribulação, o tempo da angústia de Jacó, o milênio, a última rebelião, o julgamento dos injustos e a eternidade vindoura que é muito maior do que qualquer homem possa dimensionar, mas estamos jogando nosso destino eterno pela sarjeta escolhendo mal nosso próprio caminho, deixando-se cercar de mestres segundo nossas próprias cobiças, conforme o Apóstolo Paulo disse que seriam os homens que viveriam no último momento, antes do arrebatamento da Igreja.

Creative Commons License
Esta
obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

terça-feira, abril 14

Citação, C.S.Lewis

Para os sábios da antiguidade, o problema principal era como conformar a alma à realidade [de Deus]... Para a magia e para a ciência aplicada, igualmente, o problema é como submeter a realidade aos desejos do homem...
Não estou sugerindo que eles [os manipuladores] sejam homens maus. Eles, na verdade, nem são homens (no sentido antigo da palavra). São, se você preferir, homens que sacrificaram sua própria parcela de "Humanidade" tradicional para se devoratem à tarefa de decidir o que "Humanidade" significará daqui por diante. "Bom" e "mau" perdem todo o conteúdo quando aplicados a tais pessoas...
A conquista definitiva do homem demonstrou ser a abolição do Homem.
C.S.Lewis, The Abolition of Man
(MacMillan, edição de 1978),
pp. 76-88

segunda-feira, abril 13

400 anos de silêncio e o reflexo em nossos dias...

Trinta e cinco anos após a morte de Neemias, o povo havia se esquecido, novamente, de Deus.
Voltaram a cuidar dos próprios afazeres tornando-se mecânicos com os atos cerimoniais e com relação a tudo que os ligassem com o templo do Senhor.
Tudo o que Neemias havia reedificado foi destruído em trinta e cinco anos. Parece até que Neemias já previa que todo seu esforço em reedificar a casa de Deus seria em vão, uma vez que seu último clamor registrado no livro que leva seu nome diz: “Em tua bondade, lembra-te de mim, ó meu Deus”.
Três anos após a morte de Neemias, nasce no berço da Grécia seu mais ilustre pensador, Platão. Cinco anos após o nascimento de Platão, nasce o último profeta do velho testamento e com ele a última advertência antes de Deus, pessoalmente, intervir na história.
Malaquias era o último dos profetas que lembraria Israel de seu pecado contra o Senhor, na tentativa de fazê-lo retornar para o bom caminho. É um peso demasiadamente grande para um homem carregar! No entanto, o ministério de malaquias foi, ousadamente, concluído alertando sobre a benção e a maldição que viriam. Após o encerramento de seu ministério profético, houve 400 anos de silêncio.
Apesar da pregação incisiva do profeta, o povo não retornou das más obras, não se voltou para seu Deus, o que fazia, fazia por formalismo, mas não apresentava o melhor do seu rebanho, nem o melhor de suas colheitas. Os corações dos judeus estavam em suas próprias casas, em seus próprios bens, no status social perante os demais membros da tribo. Faziam-se de santos sem serem. Não queriam passar pela congregação levando um animal até o templo para que este fosse morto para espiar seus pecados. Não por não terem pecados, mas sim pela vergonha em torná-lo público diante dos demais.
O próprio homem, seu orgulho, desejos e anseios eram mais importantes do que a casa do Senhor e o próprio Deus.
Naquela época, houve silêncio que durou 400 anos que findou na vinda do Filho de Deus para nossa própria salvação.
Hoje, a Igreja anda pelos mesmos caminhos, cada um cuidando dos seus próprios afazeres, alguns, simplesmente, vão aos cultos por mera formalidade devotando a Deus aquilo que lhe sobra. Poucos cristãos buscam conhecer e prosseguir em conhecer o Senhor e o reflexo disto é uma Escola Bíblica pouco freqüentada, uma vida insípida e inodora, incapaz de frutificar e multiplicar, alheio a própria realidade que lhe cerca.
Esta geração a cada dia se distancia mais e mais da verdadeira adoração, do temor e tremor diante de Deus a semelhança das pessoas que viviam no tempo de Malaquias.
A geração de Malaquias não atentou a voz do Espírito e como resultado houve 400 anos de silêncio de Deus. Nossa geração encontra-se as portas da Grande Apostasia, o que aconteceria se deixássemos de ouvir a voz do Espírito Santo, justamente, no ponto histórico/profético no qual nos encontramos?
O último alerta de Malaquias foi dados e uma geração inteira negligenciou. O último alerta de Cristo para as Igrejas já nos foi dado e perfaz a mensagem as sete Igrejas descritas no Apocalipse, principalmente, àquela que mais reflete a real característica de nossa geração e o derradeiro aviso, Laodicéia.
Quem tem ouvidos ouça, o que o Espírito diz às Igrejas...

Creative Commons License
Esta
obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

domingo, abril 12

Selado!





SEGUE AS PALAVRAS DA RENATA...

Este Award é Especial...
Vejo alguns amigos e amigas, distribuindo awards pelos blogs e resolvi:
"Meus amigos merecem! Vou fazer um award especial para presentea-los..."
Este Award é para os Blogs Amigos que eu Visito e Aprovo.
Pegue somente se eu ofereci, ok?!
Mas se você gostaria de receber, este award, é só deixar um recadinho, ou comentário aqui no blog, fazendo seu pedido, para que eu te visite, e te presenteie.
Meu tempo é um pouquinho corrido, mas farei o possível para visitar seu blog, o mais rápido possível.

NO MAIS, MUITO OBRIGADO PELO CARINHO RENATA! DEUS TE ABENÇOE HOJE E SEMPRE! FICA COM DEUS...

quinta-feira, abril 9

Um Novo Cristianismo ?#!?

Você parou para pensar no novo tipo de cristianismo que vem surgindo dentro das Igrejas? Um Cristianismo que não anseia por mudança, transformação e arrependimento sincero. Um cristianismo voltado para a assimilação de valores materiais, sociais, afetivos e egocêntricos.
O Novo tipo de cristianismo associada à nova geração de cristãos possui chamativos interessantes, tentadores e, aparentemente, inofensivos.
Em seu livro, “Com Vergonha do Evangelho”, John F. MacArthur Jr expõe algumas citações recortadas de jornais e revistas, onde estas novas igrejas publicam seus anúncios. São eles:
  • “Aqui não há fogo nem enxofre. Nada de pressionar as pessoas com a Bíblia. Apenas mensagens práticas e divertidas”.
  • “Os cultos em nossa igreja trazem consigo um ar de inconformidade. Você não verá os ouvintes sendo ameaçados com o inferno ou sendo considerados como pecadores. O Objetivo é fazer com que se sintam bem-vindos, não de afastá-los.”
  • “Aqui os sermões são relevantes, otimistas e, melhor de tudo, curtos. Você não ouvirá muita pregação a respeito do pecado, da condenação e do fogo do inferno. A pregação aqui nem se parece com pregação. É uma conversação sofisticada, polida e amigável. Quebra todos os padrões esteriotipados.”
  • “O pastor está pregando mensagens bastante atuais... mensagens de salvação, mas a idéia não é tanto de salvação do fogo do inferno. Pelo contrário, é salvação da falta de significado e de propósito nesta vida. É uma mensagem mais ‘soft’, de mais fácil aceitação.”
Quanto a mim, não sei quem são estes homens e estas igrejas! Tampouco sei quem os dirige, mas Cristo foi claro, conciso e preciso em sua afirmação: “...convém-vos que eu vá, porque, se eu não for, o Consolador não virá para vós outros; se, porém, eu for, eu vo-lo enviarei. Quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo” (Jo 16.7-8). Contudo, ao colocar meus olhos, novamente, na mensagem que tais homens anunciam não me parece ter sido proveniente daquele a quem Cristo anunciou!
Deus tenha misericórdia de nós!
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

quarta-feira, abril 8

Citação, Spurgeon

[O Conhecimento de Deus] é um assunto tão vasto que todos os nossos pensamentosse perdem em sua imensidão, tão profundo que nosso orgulho se afoga em sua infinitude.
Podemos abarcar e lidar com outros assuntos; sentimos neles uma espécie de auto-satisfação, e seguimos nosso caminho pensando: "Veja, eu sou um sábio". Quando chegamos [ao conhecimento de Deus], todavia, descobrimos que nossa sonda não pode precisar sua profundeza, e que nossos olhos de águia não podem perceber sua altura, afastamo-nos com a exclamação solene: "Nasci ontem, e nada sei".
Por outro lado, apesar de humilhar a mente, esse assunto também a expande... Nada expande mais o intelecto, nada magnifica toda a alma do homem como uma investigação devota, honesta e contínua do grande assunto que é a Divindade.
Charles Spurgeon, The New Park Street Pulpit,
vol I (Pilgrim Publications, 1975), p.27

terça-feira, abril 7

Meu ministério

Se há uma coisa que não aprendemos ainda, é que no corpo de Cristo não há espaço para emprego de expressões de caráter possessivo, como por exemplo, este é meu ministério.
Se fôssemos, um pouquinho, mais cristãos entenderíamos que o ministério nunca foi nosso. Em primeira instância, o ministério é de Cristo e nos foi delegado por Ele, “Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo”, com finalidade única de salvar a alma daqueles que jaziam “em trevas e que viviam na região e sombra da morte”.
De certo modo, todo ministério pertence à Igreja e não aos seus membros. É claro que, dentro da igreja, algumas pessoas tornam-se responsáveis em coordenar determinados ministérios, isto é fato, mas fazer deste seu passatempo pessoal é desviar-se, completamente, do propósito da existência daquele ministério.
A interdependência ministerial é tão importante quanto necessária. Apesar de termos “líderes ministeriais” para as mais diversas finalidades, nenhum homem é uma ilha, não há andorinha sozinha que faça verão e, excluindo-se o próprio Cristo, nenhum homem na face da terra é auto-suficiente. Somos seres dependentes inseridos num ambiente interdependente, justamente, para que ninguém pense de si mais do que convém, mas saiba que das coisas que concretizou, bem poucas, poderiam ser atribuídas a sua própria capacidade, antes, todos deveriam reconhecer que todo êxito é fruto daquele que nos capacitou.
O ministério eclesial é a reunião de todos aqueles que partilham do mesmo foco, do mesmo Espírito, sobretudo, ansiando os mesmos objetivos, apresentar todo homem perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.
Nenhum ministério é uma ilha! Nenhum líder ministerial é uma ilha. Nenhum ministério pode, por tempo prolongado, sustentar uma igreja caminhando solitariamente. A cada dia torna-se mais necessário afirmar nossa total, completa e irrestrita dependência do Espírito Santo, bem como, afirmar que dependemos da Igreja como um todo para manutenção dos próprios ministérios da Igreja.
Uma relação completa de dependência desconhecida pelos homens que fazer de determinado ministério o único motivo de sua existência, que colocam o ministério pessoal acima dos objetivos da causa cristã.

Todo ministério da Igreja pode ser proveitoso, mas isso não quer dizer que ele tenha a obrigação de sê-lo. Isso dependerá, em grande parte, daqueles que estão, supostamente, a frente destes ministérios.

Para início de conversa, é importante que tenhamos a intenção correta e venhamos a identificar em nós mesmos aquilo que não devemos ter.
Existe alguma coisa de errado quando:
  • O “líder” de determinado ministério se sobressai mais do que o próprio ministério;
  • O "líder" acaba por exaltar mais a si do que àquele que o arregimentou para estar naquela posição;
  • O ministério me tornar improdutivo para a obra cristã;
  • O ministério tornar-se mais importante do que prosseguir em conhecer a Cristo rumo à perfeição cristã;
  • O ministério deixar de produzir em mim as qualidades do cidadão do Reino de Deus;
  • O ministério me impossibilitar de conhecer e prosseguir em conhecer a revelação de Cristo, como meu Senhor e Salvador;
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

segunda-feira, abril 6

Citação, William Law

Se você, simplesmente, parar e se perguntar por que seu tipo de cristianismo mal se pode associar àquele conhecido pelos cristãos primitivos, seu próprio coração lhe dirá que é, primeiramente, porque você nunca planejou, sinceramente, viver como eles viveram e morrer como eles morreram...
Se você tivesse ao menos esta inteção de agradar a Deus em todas as suas ações, como se isso fosse a melhor e a mais feliz escolha para a vida neste mundo, então você descobriria tão indisposto a negar a Cristo com sua vida quanto está agora indisposto a negá-lO com seus lábios.
E se a essa intenção você, simplesmente, acrescentasse uma fé simples nas promessas de Deus em Cristo, você se descobriria vivendo na mesma negação do Eu e sendo tão contrário ao mundo quanto os pescadores apóstolos fizeram em sua época.
Law, Spirit, p.183.

sexta-feira, abril 3

A Autosuficiência e as religiões

Não penso aqui em discorrer longas e exaustivas linhas acerca da doutrina espírita, cuja qual, qualquer protestante já sabe de antemão que não perfaz o evangelho deixado por Cristo para seus seguidores.
Antes, esta análise tem o único objetivo de demonstrar que o engodo auto-suficiente atinge segmentos espirituais, religiosos, tão quanto atinge àqueles que caminham firmado numa alegada racionalidade atéia.

Os centros espíritas nem sempre são lugares seguros para o estudo do Espiritismo... Muitos não gostam de ouvir falar que centros espíritas podem ser entidades problemáticas... O serviço prestado por bom número de casas é de baixa qualidade. Mas quem se importa com isso? Orgulhosos e despreparados dirigentes, assistidos por guias espirituais em igual situação, ajudam a fazer de conta que tudo está maravilhosamente bem. Triste ilusão, que acaba com a morte e freqüentemente durante a vida mesmo. Conhecemos muitos adeptos que se desencantaram do Espiritismo, porque pouco de bom conseguiram obter. Obsessões e doenças nunca foram curadas, sob a alegação de que "era assim mesmo"... Por esta razão, começa a tornar-se urgente a necessidade de se adquirir auto-suficiência espiritual. Não se pode depender de pessoas, sejam médiuns ou não; de líderes, sejam espíritas ou não; de centros, sejam corretos ou não, para termos paz.
(Freitas, 1999)

O mesmo mecanismo presente no texto espírita acima é, facilmente, identificado em alguns ambientes religiosos, onde as pessoas são convidadas à busca pela auto-suficiência espiritual.
Dentro deste princípio, alguns líderes religiosos e, porque não citar também, os membros super espirituais tornaram-se tão autosuficientes que não necessitam de Deus para os guiar, não necessitam dos irmãos para crescer, muito menos do convívio e do ambiente de confraternização salutar proporcionado pela real integração da Igreja como corpo de Cristo.
Tornaram-se seres celestiais incapazes de pecar, poderosos e capazes de alterar a realidade apenas determinando em alto e bom tom aquilo que almejam alcançar.
De uma maneira geral, estes são os homens que nossa geração anda procurando. Homens sábios demais para implorar a Deus por sabedoria, “íntegros” demais para se prostarem perante Deus por misericórdia e, extremamente, independentes, negligenciando a voz do Espírito que diz quem tem ouvidos ouça...
Não é difícil compreender o porquê deste tipo de pensamento encontrar um ambiente favorável dentro de qualquer tipo de instituição religiosa. Em épocas anteriores a nossa, o relacionamento com a divindade, seja ela qual fosse, era envolvido por temor e tremor, onde o homem olhando para sua finitude, pequenez e incapacidade abria-se para àquilo que era eterno, divino e capaz de modificar a realidade através do simples desejo e intenção. Em outras palavras, havia temor e tremor diante do eterno. Em nossos dias, não sabemos o que é isso. As pessoas vão a cultos religiosos como quem vai às compras e reuniões sociais, ou seja, não há, pelo homem natural, consciência do eterno, do divino e de toda questão espiritual envolvida no ato da adoração. Serei mais específico aqui! Ao invés de a Igreja transformar o homem e este ser um propagador da mensagem cristã ao mundo, por falta de consciência moral a respeito de si e da divindade, ele não se deixa modificar dentro do ambiente cristão. Antes, trás consigo todas as coisas, que tornavam seu dia-a-dia mais agradável, para dentro do ambiente cristão, tornando o culto um ambiente antropocêntrico, ao invés do que sempre deveria ter sido, cristocêntrico.
O fruto de uma geração que anseia por liberdade, satisfação total e plena não poderia gerar qualquer outro coisa senão a conseqüência de toda independência auto-proclamada, o engano autosuficiente.
Através deste engano o foco da igreja tem sido alterado ano a ano de maneira lenta, gradual e imperceptível para aqueles que sofrem a ação da mudança, contudo uma rápida revisão na linha histórica da Igreja demonstrará para quão longe da proposta cristã estamos seguindo.
A autosuficiência não perfaz a soma de atributos, qualidades e características do homem espiritual, daquele que nasce segundo o Espírito, antes, aproxima-se, perigosamente, do homem carnal e do seu Ego que insistem em se manterem na direção e controle do ser humano, lutando vorazmente contra o espírito pela supremacia deste controle.

Trecho do Livro "Autosuficiência, Ferramenta de
Auxílio ao Homem Pós-Moderno
ou sua Própria Destruição?"

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

quinta-feira, abril 2

A Festa das Primícias


Particularmente, o final deste vídeo é excepcional! Aqui segue um pequeno trecho da palestra!
As Inscrições para o Próximo Congresso já estão abertas!
Acesse o site WWW.CHAMADA.COM.BR

quarta-feira, abril 1

Citação, Stafford

Minha terceira objeção é que todas essas ênfases espirituais tendem a adotar como ponto de referência o homem, não a Deus. Elas perguntam: "Como posso ajudar a mim mesmo, minha mente, minha fé e minhas atividades para encontrar-me com Deus?"
Deus se torna uma força a ser explorada, um centro de orientação emocional, uma imagem para manipular em sua mente, uma sensação particular que domina o coração.
Desviar a atenção para nós mesmos, para o que acontece conosco é sutil, mas, certamente, diferente de voltar-se para o próprio Deus.
Ao situarmos em nós mesmos o nosso foco, passamos por cima da pergunta mais fundamental: "Como é que Deus virá a mim?"
Stafford, Knowing, pp. 32-33.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...