segunda-feira, agosto 31

Citação, William Kirk Kilpatrick


A despeito da criação de um virtual exército de psiquiatras, psicólogos, psicometristas, conselheiros e assistentes sociais, não houve qualquer queda nos índices de doenças mentais, suicídio, alcoolismo, toxicomania, violência contra crianças, divórcio, homicídio e violência generalizada. Ao contrário do que se poderia esperar numa sociedade tão cuidadosamente analisada e atendida por tais especialistas em saúde mental, o que houve mesmo foi o aumento em todas essas categorias.
Às vezes parece haver uma proporção direta entre o crescente número de conselheiros e o número crescente daqueles que precisam de ajuda... Somos forçados a considerar a possibilidade de que a psicologia e outras profissões correlatas estão se propondo a resolver um problema que elas mesmas ajudaram a criar.

William Kirk Kilpatrick, Psichology Seduction (Thomas Nelson, 1983), p.31.

quarta-feira, agosto 26

Peregrinos, Embaixadores e Cidadãos do Reino

Infelizmente estamos mergulhados no presente século, assumindo suas características, ao invés de transformarmos o mundo e as pessoas através do simples testemunho de vida sem, necessariamente, ação de palavras.
Digo isso porque o embaixador, por mais que saiba falar no idioma local, não pensa da mesma forma que as pessoas que lhe cercam. Sua construção vocabular segue o padrão aprendido em sua terra natal. O embaixador é um representante de outro país, com características que diferem daquele a qual foi enviado. Gestos, atitudes, construção gramatical, modo de pensar e agir, seu próprio padrão de moral e ética não condizem muitas das vezes com o ambiente em que está inserido. Seu raciocínio considerado lógico para os integrantes de sua própria terra, segundo os padrões culturais do país a que foi enviado, beira a loucura e insensatez. De certo modo, por palavras, o embaixador encontrará enormes dificuldades,..., aparentará aos seus ouvintes ser um pregador de coisas estranhas, as quais ele mesmo é incapaz de vivenciar.
No entanto, quando as palavras e as ações trabalham juntas em prol do mesmo objetivo, sincronizadas sob uma mesma meta, agindo como uma coisa só, sendo uma extensão da outra, encontramos por sinal a definição do embaixador de Cristo que prega de modo eficiente e eficaz, em tempo e fora de tempo, ora falando, ora agindo, pois em seu falar, a ação está expressa e seu agir não é nada mais do que a materialização daquilo que professa.
Quando as duas coisas se tornam uma só, mesmo que o cristão continue sendo considerado um estranho, pois seus hábitos, suas atitudes e seu modo de pensar e agir não refletir em nada a características das pessoas que lhe cerca, ele continuará a ser bem quisto por todos. E aquela barreira impenetrável de comunicação que existia entre ele e o não convertido, dia após dia, sofrerá enormes abalos sísmicos, vindo a ruir num futuro vindouro, tão distante quanto sua inabilidade para conciliar palavras e atitudes, mas tão próximo quanto à ação do Espírito Santo é capaz de sincronizar conhecimento e ações.
As características essenciais a natureza do cidadão do Reino, só de longe podem ser percebidas por aqueles que professam serem cidadãos do Reino! Por quê?
Ora, se somos peregrinos em terra estranha, não pertencemos ao presente país, no entanto, muitos de nós, quiçá, quase a totalidade, temos a forma exata e o encaixe perfeito às atitudes do homem carnal, mas pouco conhecemos a respeito da terra que professamos ser cidadãos!
Ora, se somos embaixadores de Cristo, anunciaríamos as bem-aventuranças daquele Reino, no estabelecimento daquele Reino, promulgando e propagando o Reino de Deus, mas estamos mais preocupados em contrabandear coisas que são daquele Reino para mesclar com a cultura local e tornar o presente reino mais aceitável ao padrão de vida que queremos para nós enquanto embaixadores de um Reino que ao mesmo tempo é chegado, no entanto, ainda se aproxima.
Ora, como cidadãos do Reino de Deus, nós saberíamos discorrer sobre o arrebatamento, que é a bendita esperança da Igreja, sobre a tribulação, sobre as profecias cumpridas e as que ainda se cumprirão, sobre a natureza fidedigna daquele que nos chamou do império das trevas para o seu Reino, sobre as bem-aventuranças vindouras, sobre a cessação do sofrimento no porvir, sobre o estabelecimento do Reino perfeito, sobre a natureza do cidadão do reino dos céus, sobre a brevidade do momento histórico, sobre a realidade profética e o cenário mundial que nos cerca, pois estaríamos constantemente buscando recordar aquilo que trás esperança, a lembrança da terra natal, onde já não somos peregrinos, onde temos uma casa e um lar, onde àqueles que lá estão, nos aguardam ansiosamente. Discorreríamos sobre esta terra como um peregrino em terra estranha ansiando retornar a sua terra natal.
Contudo, temos embaixadores que não sabem anunciar seu Rei, nem sua terra e não se importam, nem um pouco, com isso. Temos peregrinos que não diferem em nada dos habitantes locais, sabendo mais da cultura local do que da terra que diz pertencer. Temos cidadãos do Reino que desconhecem os padrões de conduta, normas, padrões de ética e comportamento inerentes àqueles que alegam pertencer aquela terra.
Às vezes, tenho a impressão que nos falta entender e ser peregrinos em terra estranha, na qualidade de embaixadores, anunciando o rei e seu reino em tempo e fora de tempo.
Nossa natureza que se renova dia após dia, ligando-se mais e mais a nova realidade a qual somos chamados, ser imitadores de Cristo, expressa, veementemente, a natureza do cidadão do Reino de Deus, que estará mais presente em nossas vidas a medida que nos dedicamos mais a conhecer e propagar o Reino...
Creative Commons License
Este texto está licenciado sob uma Licença Creative Commons.
Postado por Ricardo Inacio Dondoni

segunda-feira, agosto 24

Citação, Jerome Frank & Roger Mills


Quanto maior o número de locais de tratamento e quanto mais conhecidos eles forem, maior será o número de pessoas buscando seus serviços.
A psicoterapia é o único método de tratamento que, pelo menos em grande parte, parece criar a doença de que trata.

Jerome Frank, Professor Emérito da Escola de Medicina
Johns Hopkins, ele próprio um psiquiatra.
Gross, op. cit., p.16


O campo da psicologia se encontra em total confusão em nossos dias. Para cada pesquisador e terapista há outras técnicas, métodos e teorias por aí.
Vi, pessoalmente, terapistas, convecerem clientes de que todos os seus problemas vinham de suas mães, das estrelas, de constituição bioquímica, de sua dieta, de seu estilo de vida e até mesmo do "kharma" de suas vidas passadas.

The National Educator, julho de 1980, Rogers Mills (psicólogo),
"Psychology Goes Insane, Botches Role As Science," p.14.

domingo, agosto 23

Indicações

Pois é deixo aqui duas indicações!
  1. O Blog de um amigo completamente centrado do verdadeiro evangelho. Amigo este, responsável em muito pela minha formação teológica e amor pela palavra de Deus. Costuma estar mergulhado no evangelho e na prática ministerial, mas quando lhe sobra algum tempo, escreve excelentes reflexões. Blog do Omar Nascimento!
  2. O 1º encontro apologético a ser realizado em Março de 2010. Acesse o link, responda as questões destacadas a fim de estabelecermos como será realizado, onde e no que consistirá o encontro. Dê sua contribuição. Participe!

sábado, agosto 22

Nova Sistemática de Publicação


Amigos, companheiros, colegas blogueiros, navegadores que chegaram a esta página sem querer, críticos, leitores assíduos e os demais não tão assíduos assim! Caríssimos,

Estou mudando a sistemática de postagem no blog!
A partir desta semana as postagens seguirão a seguinte sistemática:

Segunda-feira - Citação
Quarta-feira - Postagem
Sexta-feira - Vídeo

Gostaria de postar mais, mas minha realidade não me permite! As portas de se tornar pai, com inúmeras coisas para fazer, concluindo seminário e ministrando aulas na EBD me sobra muito pouco tempo para postar algo com qualidade...

Adiantei algumas postagens!

Os vídeos já estão todos publicados até 30 Jan 10!
As citações também! Todas devidamente publicadas até 19 Abr 10!
As reflexões não! Estas são feitas e publicadas geralmente na mesma semana, fruto de algum estudo, livro, situação, reflexão ou versículo lido...

A todos um grande abraço!

Espero estar concluindo meu o livro o qual estou escrevendo até final de outubro deste ano! Devo sortear 01 (um) para aqueles que se inscreverem na época em que eu for publicar uma postagem referente ao aniversário do blog; 01 (um) àqueles que são assinantes RSS, ..., e darei uns outros segundo um critério o qual já tenho em mente mas não tornarei público até que esteja bem delineado...

Meus caríssimos,
Um abraço e uma ótima semana para cada um de vocês...

P.S.: A foto acima é em homenagem ao pessoal do GENIZAH e do PÚLPITO CRISTÃO. Lembrei de vocês e de sua postagem "Isto é a horah do Fariseu doido!" Um abração pessoal... Fica esta foto como um presente para o seu banco de imagens relacionadas ao tema em questão!

sexta-feira, agosto 21

quarta-feira, agosto 19

Perda de Identidade

Basta uma pequena passagem pelas páginas da Bíblia para que ela revele coisas surpreendentes. Um pequeno panorama entre gênesis e apocalipse revela muito da natureza verdadeiramente humana, bem como, a questão da desumanidade.
Excluindo a única restrição existente nos tempos da criação, o primeiro casal possuía liberdade e comunhão plena. Contudo, foram incapazes de guardar um único mandamento e acabaram por comer da árvore do conhecimento do bem e do mau, fazendo o que era mau aos olhos do Senhor.
O pecado original gerou conseqüências cósmicas. O homem perdeu o relacionamento que possuía com Deus e, ainda hoje,
toda a criação geme e suporta angústias, aguardando a consumação dos séculos e a restauração plena de todas as coisas em Cristo.
O pecado gerou morte, medo, separação e quebra do relacionamento do homem com Deus.
Sem um relacionamento adequado com o criador, o ser humano iniciou o processo de perda de identidade.
Criado a imagem conforme a semelhança de Deus, ao se afastar do criador perdeu o próprio referencial que lhe moldara o caráter, a personalidade, o objetivo, a meta e o intuito.
Iniciou-se um processo de redefinição! Sem anseio de buscar um relacionamento adequado com o Criador, o ser humano vem estabelecendo sua própria noção falida de humanidade, a qual difere do padrão da criação.
Em busca de criar e estabelecer seu próprio conceito de humanidade, o homem dos últimos dias conseguirá consumar um estado de plena desumanidade baseado em seus próprios conceitos humanistas. Ali serão encontrados homens que diferem, extremamente, do homem original, criado a imagem conforme a semelhança de Deus. Homens
egoístas, avarentos, jactanciosos, arrogantes, blasfemadores, desobedientes aos pais, ingratos, irreverentes, desafeiçoados, implacáveis, caluniadores, sem domínio de si, cruéis, inimigos do bem, traidores, atrevidos, enfatuados, mais amigos dos prazeres que amigos de Deus, tendo forma de piedade, negando-lhe, entretanto, o poder.
Homens incapazes de olhar para o próximo. Eles buscam uma sociedade perfeita, mas não no sentido da perfeição divina, antes, a perfeição buscada está diretamente relacionada a ter seus desejos supridos em detrimentos dos demais. É isto que se prega, com a teologia da prosperidade. Cada qual busque riquezas, fama, prosperidade e sucesso. Nada se fala sobre a causa do próximo e da vida em comunhão.
O homem dos últimos dias criará uma sociedade mesquinha e egoísta, impossível de ser habitada.
A sociedade formada naqueles dias não terá praticamente nada que lhe lembre sua própria identidade perdida ao longo do tempo, dia após dia, desde quando resolveu voltar às costas a ser a imagem conforme a semelhança daquele que o criou.
Vivemos a margem do estabelecimento desta sociedade e podemos identificar os antigos valores sendo sucateados em prol de novos valores que atendam a algumas pessoas, classes e grupos.
Nós mesmos, bombardeados de todos os lados, não estamos livres de concordar com esta geração. Tantas são suas imposições! Os motivos parecem até justificáveis, mas a luz do conhecimento bíblico, tais conjecturas não passam de veneno capaz de matar o melhor cristão dentre todos nós. Seja por se adequar e conformar com o presente século quer seja por combatê-lo de forma tão ferrenha, que a luz que resplandecia fortemente em nós, enfraqueça, torne-se opaca e, por fim, não reste nada que lembre o novo homem
“que se refaz para o pleno conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou”.
Sem dúvida vivemos tempos difíceis! Que possamos fazer uso do conhecimento bíblico e da ação do Espírito Santo sobre nossas vidas para não nos adequarmos, mesmo que de modo imperceptível, a esta geração e, ainda, que possamos ser a diferença quer seja oportuno, quer não seja, anunciando a brevidade do Reino, bem como, a necessidade de nascer de novo.
Creative Commons License
Este texto está licenciado sob uma Licença Creative Commons.
Postado por Ricardo Inacio Dondoni

terça-feira, agosto 18

Citação, A. W. Tozer


O ego é uma das plantas mais resistentes que crescem no jardim da vida. Na verdade, ela é indestrutível por qualquer meio humano. Quando estamos certos de que está morto, ele reaparece em outro lugar, forte como nunca, para perturbar nossa paz e envenenar o fruto do nossas vidas...
O crente vitorioso nem exalta nem deprecia a si mesmo. Seus interesses mudaram do ego para Cristo. O que ele é ou não é já não o preocupa. Ele crê que foi crucificado com Cristo e não deseja elogiar ou depreciar tal homem.

Tozer, Man the Dwelling Place of God
(Christian Publications, 1976), p 72.

quinta-feira, agosto 13

Citação, A. W. Tozer


A auto-depreciação é ruim pela simples razão de que o ego está ali para ser depreciado. O ego, quer se exalte, quer se deprecie, não pode ser qualquer outra coisa senão detestável para Deus...
A vanglória é prova de que estamos satisfeitos com nosso ego; a auto-depreciação é prova de que estamos desapontados com ele. De qualquer um dos dois modos revelamos que temos uma opinião muito positiva a nosso próprio respeito.

A.W.Tozer , Man The Dwelling Place of God
(Christian Publications, 1976), p.71.

terça-feira, agosto 11

Citação, David G. Meyers


Jean-Paul Codol realizou vinte experiências com franceses cuja idade variava de estudantes de doze anos a profissionais adultos. A despeito de quem estivesse envolvido e dos métodos usados, o que esteve constantemente presente foi que essas pessoas se consideravam superiores...
Estudantes [americanos] tipicamente se situam na faixa mais alta de suas classes... A julgar por suas respostas... [a testes de auto-avaliação], parece que os estudantes secundaristas na América não sofrem de sentimentos de inferioridade. No item "capacidade de liderança", 70% se julgam acima da média, 2% abaixo da média... No item "capacidade de relacionar-se bem com outras pessoas", zero por cento dos 829.000 alunos que responderam se consideravam abaixo da média, 60% se situaram na faixa de 10% do alto da pirâmide e 25% se viram na faixa de 1% no topo da pirâmide!...
Observa-se o quanto isso difere da sabedoria popular que afirma que a maioria de nós sofre de auto-conceito negativo.... Os pregadores que fazem palestras motivadoras para inflar o ego de seus ouvintes supostamente pertubados por auto-imagens deficientes estão pregando para um problema que raramente existe.

David G. Meyers, The Inflated Self
(The Seabury Press, 1980), pp.23-24.

segunda-feira, agosto 10

O Reino Incompreendido

“Interrogado pelos fariseus sobre quando viria o reino de Deus, Jesus lhes respondeu: Não vem o reino de Deus com visível aparência. Nem dirão: Ei-lo aqui! Ou: Lá está! Porque o reino de Deus está dentro de vós.”
Este texto menciona o maior reino que existirá sobre a face da terra, no entanto, seus interlocutores não entenderam o que estava lhes sendo dito.
O texto está situado entre a cura dos dez leprosos e a parábola da viúva persistente. Ambos os textos complementam o entendimento do reino de Deus.
Seus interlocutores eram os fariseus, doutores na lei, os homens considerados sábios e com vida exemplar. Estes eram aqueles que analisavam as escrituras e procuravam balizar o reto proceder do povo de Israel. Da interpretação deles vivia o povo. Um verdadeiro ativismo religioso! Muito trabalho! Muito empenho em fazer, mas pouco empenho em ser.
Era mais fácil ocupar o povo com atividades, regras, mandamentos, ordenações, imposições humanas para, de certa forma, impor-lhes seu modo de analisar as escrituras, ao invés de compreender o porquê das colocações nela.
Eram meros cumpridores da lei, que analisavam os textos da forma como lhe convinham. Ignoravam o fato de que as mesmas escrituras, que afirmavam a vinda do Cristo em poder e glória estabelecendo um reino eterno, afirmavam que ele também viria em humildade e mansidão estabelecendo a base sólida daquilo que seu reino seria na plenitude, o amor.
“Interrogado pelos fariseus sobre quando viria o reino de Deus, Jesus lhes respondeu: Não vem o reino de Deus com visível aparência”.
- O que isso quer dizer?
Cristo afirma que seu reino é diferente de todos os existentes!
- Como assim diferente? - Ora, ..., assim, ..., diferente, ...., pois não é igual a nada que o homem viu, ouviu, ou ainda, experimentou. É um Reino Singular! Nunca antes visto!
- Como assim, nunca antes visto? Todo reino é estabelecido pela força! Não existe um reino que não tenha sido estabelecido desta forma! Todos os conquistadores governaram pela força! Foi assim com Nabucodonosor e os babilônios, com Dário e os persas, com os Césares e Roma! Foi pela força que nossos antepassados subjugaram os povos de Canaã! Olhem para a história, para Israel, para Abraão, Davi, Josué, Saul, etc.
- Não! Não, de maneira alguma, o reino de Deus pode ser comparado a qualquer um destes reinos. Aliás, o reino que eu anuncio é um reino que será estabelecido pela humildade e pela mansidão!
Outra voz no meio da multidão poderia dizer: - Um reino é estabelecido pela auto-suficiência com que gere todos os seus recursos! Pela auto-suficiência de seus líderes e pela plena capacidade de governar!
- Não! O Reino que eu venho estabelecer será diferente! Será um reino em que o maior dentre vós será aquele que se humilhar como uma criança! Ou seja, aquele que conseguir demonstrar sua completa incapacidade para ser! Não será estabelecido por um conjunto de pessoas auto-suficientes, mas sim, por um aglomerado de pessoas incapazes de discernir entre a mão direita e o braço esquerdo sem a intervenção de Deus.
- Pois bem, contudo há uma coisa que você não pode contestar! É que todo reino que se preze é medido pelo seu poderio, pelo seu território geográfico, pela quantidade de terras que possui?
- Não! Um reino pode ser estabelecido de forma diferente, sem preocupações com territórios e ganhos de terras. O reino de Deus do qual eu vos falo é medido pelas pessoas. Pelos cidadãos que muito embora não tenham pisado no Reino, já são parte integrante deste reino!
- Na realidade, o reino o qual anuncio é feito de embaixadores! Nenhum dos cidadãos do Reino é natural dele! Todos os que desejam participar deste novo Reino, devem adquirir cidadania no Reino em detrimento da antiga cidadania que possuíam. Sendo assim, de certo modo, todos os cidadãos do Reino estão dispostos como embaixadores, peregrinos em terra estranha a anunciar o Reino de Deus e são identificados da mesma forma como um estrangeiro é identificado.
- Como assim?
- Ora, se sois peregrinos em terra estrangeira, seus costumes, seus hábitos, seu modo de proceder, pensar e agir são diferentes. A medida que estes expressem, verdadeiramente, que são diferentes, serão considerados diferentes no meio da sociedade a qual pertencem. E se expressarem as qualidades do cidadão do Reino, estarão anunciando e estabelecendo o Reino, naquilo que é mais íntimo de cada homem, seu próprio coração.
Não por força, como todo Reino foi estabelecido até os dias atuais, mas por demonstração de Espírito e poder, pela alteração do homem carnal no espiritual, pela alteração que ocorre internamente e é exteriorizada em ações, gestos, atitudes, personalidade e caráter.

Nota: Os fariseus partiram de princípios humanos e, por isso, não chegaram à revelação que o próprio Deus lhes expusera. A confiança nos valores terrenos acarretou no tropeço e na queda deles. Desejavam, fervorosamente, um governo estabelecido pela força, com poder de subjugar os povos e ampliar os territórios de Israel. Não ansiavam pelo Reino, mas sim pela conseqüência do estabelecimento dele, tornando-os célebres e poderosos perante as nações. Deveriam ansiar pelo Reino no estabelecimento do objetivo pleno dele, que toda a vontade de Deus fosse cumprida assim na terra como no céu. No entanto, não se portaram de forma a qualificarem-se como cidadãos do Reino!
Creative Commons License
Este texto está licenciado sob uma Licença Creative Commons.
Postado por Ricardo Inacio Dondoni

sexta-feira, agosto 7

quarta-feira, agosto 5

O Padrão do Reino de Deus

Desde o princípio dos tempos, Deus ergueu seu reino, tornando visíveis as coisas que não o são.
Assim foi na criação do mundo ao trazer a existências as coisas que não existiam como se já existissem. O ato de criar e tornar visível faz parte do estabelecimento do reino de Deus.
Deus estabelece o seu reino do que é eterno alcançando o que é temporal. Não pela visão limitada dos homens. Não um reino imposto como o de qualquer conquistador humano. Não um reino formado por territórios, mas sim, um reino formado por pessoas. Um reino estabelecido a partir daquilo que o homem é incapaz de gerir. Um reino que surgisse do interior de cada homem e alcançasse os povos.
Cristo compara esse Reino ao grão de mostarda semeado. Uma pequenina semente que vira uma grande hortaliça e produz sombra e abrigo. Nós somos a terra adubada onde Deus plantou sua melhor semente, Jesus!
O crescimento natural do reino de Deus não está preocupado com coisas físicas e materiais, mas sim com as questões espirituais sobre as quais a humanidade demonstra ser incapaz de compreender, indo na contramão da aquisição daquilo que mais busca: A justiça, a paz e a alegria.
Quem não sonha em receber a justa medida de um dia de trabalho? Ou então, quem não gostaria de ter uma paz que excede todo o entendimento? Ou ainda, a típica alegria paulina, quando mesmo da prisão, Paulo escrevia “Alegrai-vos”, Alegrai-vos no Senhor vosso Deus.
Não falo do estabelecimento físico do reino de Deus, mas sim do estabelecimento espiritual do reino dentro de cada um de nós. Do reino que é edificado à medida que nos dispomos a servir.
Os fariseus estavam plenamente preocupados com o ativismo religioso e fazer com que todas as nações se rendessem a Israel. Assim como a Igreja está preocupadíssima em encher igrejas.
Nosso ativismo em nada nos separa dos fariseus! Estamos preocupados em estabelecer o reino físico, enquanto Cristo preocupou-se primeiro com o espiritual.
Olhamos ao redor e verificamos que a Igreja está crescendo! A cada dia é possível identificar uma nova denominação, uma nova igreja, novos trabalhadores dispostos a estabelecer o reino físico de Deus, mas nenhum deles preocupados com o espiritual.
É interessante que Cristo exorta sua igreja, dizendo que haveria dias em que os homens ansiariam por demais ver um dos dias do Filho do Homem, mas não o verão!
Isto para mim quer dizer uma única coisa! Na busca em estabelecer o reino físico de Deus, a Igreja está se afastando daquilo que é, por demais, importante para a causa Cristã, o estabelecimento do reino espiritual!
A Igreja ansiará ver um dos dias do Filho do Homem! Buscarão aquele que cura, salva, regenera, limpa, perdoa e lança o pecado no mar do esquecimento. Buscarão, mas não encontraram exemplos que O lembre.
Serão seduzidos por falsos líderes e arrebatados por quaisquer ventos de doutrina, buscando o exterior, o estabelecimento de um reino físico, onde as bênçãos são derramadas, onde a prosperidade é costumeira, onde não haverá espaço para ser menos do que vencedor.
O reino de Deus não é comida nem bebida, mas sim, justiça que o povo buscará e não achará, porque só encontrará aquilo que plantou;
O reino de Deus não é comida nem bebida, mas sim, paz que excede todo o entendimento, mas também não a encontrará, pois buscou a paz do mundo, conformando-se a este tempo, a este século;
O reino de Deus não é comida nem bebida, mas sim, alegria que não será encontrada pois o ativismo religioso em busca do estabelecimento de reino de Deus não os deixará usufruir do amor de Deus derramados em seus corações.

A partir daquilo que não vemos, o reino de Deus é estabelecido.
A ação do Espírito Santo transformando cada um de nós diariamente, será expressada pela medida com a qual ocorre a rendição a Cristo.
Não impeça o agir de Deus, buscando o reino onde ele não existe. O ativismo religioso não é fundamental, nem desejável para o corpo de Cristo. O evangelismo sim! Este é fundamental! A mudança interior que sou incapaz de perceber é a maior demonstração do reino de Deus.
Se a pregação de Paulo não consistiu em palavras persuasivas de sabedoria humana, mas em demonstração de Espírito e de poder, ou seja, ação do Espírito Santo, porque nós desejamos realizar tudo por conta própria, inclusive a preparação física do Reino quando o que nos foi dado foi estabelecer o Reino do coração dos homens?
Não foi o homem que estabeleceu a igreja, foi Deus! Não foi o homem que deu força a igreja, mas o Espírito! Não é o homem que terminará a obra, mas sim aquele que começou a boa obra! Não pensemos de nós mesmos mais do que nos convém ou acabaremos vivendo os dia de uma igreja fria e sem amor, olhando para a bíblia como se as coisas que estivessem lá escritas, fossem maravilhosas demais para serem verdade. Dias virão que as pessoas ansiarão ver UM dos dias do Filho do Homem mas não verão.
O grande problema do homem é procurar estas coisas nos lugares errados. Olhamos para fora ao invés de olharmos para dentro, para o local onde a semente foi plantada. Só é possível estabelecer este reino a partir do ponto onde a semente foi plantada, somente deste ponto ela é capaz de alcançar os povos.
Só é possível ser um cidadão do reino se deixamos a semente, invisível aos nossos olhos, crescer sem restrições, tornando a nova natureza do homem espiritual, visível a todos os homens, a mudança de vida que só o Espírito Santo é capaz de fazer.
Creative Commons License
Este texto está licenciado sob uma Licença Creative Commons.
Postado por Ricardo Inacio Dondoni

Citação, William Law


Os homens estão mortos para Deus por estarem vivendo para o ego. Amor próprio, auto-estima e auto-satisfação são a essência e a vida do orgulho; e o Diabo, o pai do orgulho, nunca está ausente de tais paixões, nem deixa de ter influência nelas. Sem a morte para o ego não há escape do poder de Satanás sobre nós...
Para descobrir a mais profunda raiz e a força férrea do orgulho e da auto-exaltação, é preciso entrar na câmara secreta da alma humana, onde o Espírito de Deus, o único que pode produzir humildade e submissão reverente, foi impedido de entrar por causa do pecado de Adão...
Aqui, no íntimo mais profundo do ser humano, o ego teve seu terrível nascimento, e estabeleceu seu trono, governando sobre um reino de orgulho secreto, do qual toda a pompa e as vaidades externas são apenas brinquedos infantis e transitórios...
A imaginação, como o último e mais fiel apoio do ego, coloca a seus pés mundos invisíveis, e a coroa com vinganças secretas e honras imaginárias. Este é o ego satânico, natural, que deve ser negado e crucificado, caso contrário não haverá um discípulo de Cristo. Não há interpretação mais clara do que esta para as palavras de Jesus: "
Aquele que não se negar a si mesmo, não tomar a sua cruz e me seguir, não pode ser meu discípulo"


William Law, The Power of the Spirit (Christian Literature Crusade, 1971), editado por Dave Hunt, pp. 141-144

terça-feira, agosto 4

Citação, Bennett


Membros de suas congregações, presbíteros, diáconos e colegas de ministério (sem falar de crentes que são psiquiatras e psicólogos) podem fazer pressão e tentar dissuadi-los de qualquer resolução definitiva de tornar seu aconselhamento inteiramente baseado nas Escrituras.
Eles poderão insistir que vocês não podem usar a Bíblia como um livro-texto de aconselhamento, tentarão intimidá-los sugerindo que o seminário não os preparou adequadamente para esse trabalho, tentarão vocês a adotarem todo tipo de artefatos psicológicos reluzentes para servirem de acessórios à Bíblia, e geralmente exigirão que vocês abandonem o que eles julgam, silenciosamente ou abertamente, uma base arrogante, insular e inapelavelmente inadequada para o aconselhamento.
Poderão até mesmo advertir e ameaçar, enquanto fazem uma caricatura do método bíblico: "Pense no dano que pode causar ao simplesmente distribuir versículos bíblicos como se fossem receitas ou pílulas".
Bennett, Free, p.116.

segunda-feira, agosto 3

A cada dia mais corruptos, a cada dia menos cristãos!

Podem chamar-me de louco, por amar a palavra de Deus e por sofrer por vê-la sendo negligenciada, assim ainda sou, assim quero continuar a ser.
Podem chamar-me de inflexível e metódico, quanto ao zelo pela palavra de Deus, pois
assim ainda sou e assim quero continuar a ser.
Podem tecer as palavras mais agudas e as flechadas mais penetrantes! Chame-me de insano e digam aos quatro ventos que não existe lugar para mim na nova sociedade cristã que está sendo formada dia após dia.
Uma sociedade sem zelo pela palavra de Deus, sem vontade de conhecê-lo, o qual anseia unicamente crescer na graça, desprezando o crescimento no entendimento da palavra. E por não buscarem conhecê-lo mais e mais, tornam-se corruptos por seguirem os caminhos enganosos do próprio coração.
Digam! Digam as extremidades da terra: “Você não é um de nós!”, pois se ser um com esta geração é ignorar o evangelho da Cruz, não, realmente, não sou, porque meu coração pulsa pelo verdadeiro evangelho, pelas palavras cheias de sabedoria, inundadas em amor, banhadas em justiça e retidão, aromatizadas no temor e no tremor de Deus, pela busca insaciável e incansável de ser nova criatura e não uma substância amorfa sem definição, que não é tão fria quanto a natureza decaída de Adão, mas que não consegue alcançar a plenitude do Novo homem forjado em altas temperaturas, antes, assemelha-se a uma matéria amorfa, morna e sem valor. Incapaz de se libertar da velha natureza, mescla o que considera ser o melhor dos dois mundos! Sem entendimento e razão, perde-se eternamente cheia de auto-compaixão.
Não! Definitivamente, não! Não quero participar da nova sociedade cristã que está sendo formada, fujo dela e consinto com Paulo e reforço as palavras dele a ti também, que as lê agora,
“não te envergonhes do testemunho de nosso Senhor, ... antes participa comigo dos sofrimentos do evangelho segundo o poder de Deus que nos salvou e nos chamou com santa vocação; não segundo as nossas obras, mas conforme a sua própria determinação e graça que nos foi dada em Cristo Jesus”.
Quanto a nova geração! Não se assemelhe a ela! Tenha Zelo e Amor pela palavra de Deus, pois Eles desprezam o conhecimento! (Os 4.6) Não o buscam (Sf 1.6), não anseiam pela sua presença (Os 6.3)! Seus olhos são voltados para si (Rm 16.18) e destes a única voz que escutam é o querer mais e mais (Pv30.15).
Persevere em Buscá-lo! Não desista!
"Salvai-vos desta geração perversa" (At 2.40b). Não creio que seja uma luta fácil! Fugir de tudo o quanto nossa geração prega como sendo palavra de Deus e não é, requer muito esforço! É uma das coisas mais árduas, mas também é uma das mais gratificantes porque, “desde os dias de João Batista até agora, o reino dos céus é tomado por esforço, e os que se esforçam se apoderam dele.” (Mt 11.12)
Esforça-te em buscá-lo fugindo dos modismos de nossa geração!
Creative Commons License
Este texto está licenciado sob uma Licença Creative Commons.
Postado por Ricardo Inacio Dondoni
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...